segunda-feira, 29 de abril de 2013

Chamada revista Unicamp


capa_index.gif

Professores, estudantes, pesquisadores … cliquem na imagem para entrar ou pesquisem diretamente o conteúdo, utilizem a ferramenta abaixo

 

 

 

Chamada de Artigos, resenhas, vídeos de conferências e traduções.

 

Data: 15/junho/2013

 

REVISTA AULAS DA UNICAMP - 2013
DOSSIÊ "POLÍTICAS DA ESCRITA E DA MEMÓRIA"


Uma das principais inquietações dos historiadores diz respeito à maneira pela qual o passado é preservado, escrito, representado e memorizado. Se os documentos não são transparências que refletem a realidade, se os discursos conformam as práticas a que se referem e constroem os objetos de que falam, é de se perguntar pelos modos da escrita e pelas formas de memorização que são mobilizados na produção do conhecimento histórico. Criam-se museus e arquivos; preservam-se coleções de documentos; encontram-se novas provas; no entanto, apenas uma pequena superfície dos acontecimentos históricos se torna legível no presente, e pode ser transmitida às gerações sucessivas. Como constelações iluminadas por poderosos telescópios, o poder dá visibilidade a certos eventos e personagens, impondo interpretações e sentidos como definitivos e verdadeiros, enquanto outros permanecem invisíveis na escuridão infinita dos céus. Na contramão dessas codificações que expressam relações de poder tanto provenientes do Estado, quanto disciplinares, buscamos encontrar outros fragmentos do passado em nossas pesquisas, que apontem para a construção de contramemórias e de contramonumentos, de narrativas marginais e de resistência, em que a memória se atrele à experiência e ao corpo. Fragmentos que encontrem eco na atualidade e componham novas constelações capazes de indicar pistas e rumos seguros para prosseguir a viagem, nessa estranha aventura do conhecimento histórico.


Tendo em vista essas preocupações, a Revista Aulas da Unicamp convida os/as pesquisadores envolvidos em estudos sobre temas como políticas da verdade, luta pelos direitos humanos, memória individual e coletiva, testemunhos e memórias traumáticas da violência de Estado, biopolítica e governamentalidade, narrativas autobiográficas, autobiografias nas artes visuais, poéticas e políticas feministas, poder e subjetividade, subjetivação, verdade e ética, entre tantos outros, a apresentarem seus artigos para comporem esse número.

 

Para saber as normas clique na figura abaixo ou aqui

 


Postar um comentário