terça-feira, 14 de outubro de 2014

Recebi: "Dora" de Bianca Pinheiro


Bianca Pinheiros lançou, em setembro de 2014, um álbum independente chamado "Dora", uma HQ de suspense psicológico, onde a protagonista, homônima, tem um comportamento à lá "Carrie, a estranha". O enredo envolve os acontecimento trágicos entre uma garota com traços de autismo sociofóbico e as tentativas de sua mãe em proteger sua filha de todos e de até de si mesma. Inclusive, não há como não se identificar com a mãe e seu vínculo afetivo.

O desenho de Bianca é simples, mas convidativo. Ele é expressivo e atencioso com os detalhes, sem exagerar ou exceder aquilo que é necessário para compreender a cena. Eu gostei bastante.



Apesar da concepção da personagem não ser inovadora (uma garota atormentada que perturba as pessoas e causa fenômenos sobrenaturais ao seu redor) o roteiro de bianca é muito bom. A narração disfarçada de interrogatório  é divertida e prende a atenção do leitor até a última página. E, na minha leitura, tem a dose certa de clichê para agradar.

O final é daqueles que incomoda o leitor (os meus preferidos) e compensa a leitura.

Apesar do material ser independente e fruto de financiamento coletivo (do Catarse.Me), poderia ter feito uma parceria com uma editora. Não acho benéfico as produções serem impressas sem ficha catalográfica ou ISBN. A autora poderia ter feito uma parceria ou registrado a obra na Biblioteca Nacional como "obra do autor".



Um detalhe que me incomodou foi a repetição dos subtítulos. Acredito que a autora quis propor uma lógica cíclica talvez, começando e terminando em "Choro", p.ex., mas acho que poderia ter explorado melhor estes subtítulos e até feito um sumário, dando uma pista mais evidente para os leitores desatentos. Acho que isso foi decorrente da ausência de um editor, pois, além desta falta editorial, outro aspecto que faltou foi a paginação.

Mas estas ausências não diminuem a qualidade e a boa contribuição do material para a trajetória dos quadrinhos brasileiros.

Parabéns à Bianca pelo material.
Fico feliz em ter contribuído.
Fica a dica: Leiam "Dora"!

Postar um comentário